sábado, 8 de outubro de 2011

Descansar em Ti...



Senhor Jesus!
Quisera descansar em Ti, quisera repousar em ti a minha vida,
Quisera saciar a minha sede humana com a Tua imagem,
Mas a verdade é que dei comigo tão ressequida
Que pensei ser incapaz de deixar que entres na minha história
Na minha vida tão cheia de desertos e securas áridas.
Suscitastes em mim o desejo do encontro,
A sede de beber a Tua água cristalina,
De experimentar a riqueza da tua misericórdia
Vivendo numa conversão continua e permanente.

Ter sede de Ti, da tua Palavra
É acolhê-la em mim como Palavra eterna,
Aquela que jorra para a vida eterna
E corre todas as veias do meu ser.
Ter sede da Tua palavra significa sair ao teu encontro
Preencher os meus vazios de amor e de ternura
Com a tua doçura e a Tua capacidade de me amar tal qual como sou.

Tu me envolves, tu me cercas por todos os lados,
Tu sacias o meu viver tão afadigado, tão cansado
De coisas que não passam de supérfluos sem valor, sem sentido!
Tu me inundas com a força do teu espírito
Tu me fortaleces e me encorajas a viver em Ti e para Ti,
Como se fosses único para a minha tão pobre existência,
Tu me conduzes doce pastor de quem sou ovelha tresmalhada


Dá-me água viva que seja poço e fonte, riacho e rio
Sempre a correr desaguando num mar infinito
De um amor que me abrasa e seduz.
Sou Senhor, como a samaritana, bem sabes de quem te falo,
Ela pecadora, eu pecadora, ela mulher sedenta de amor,
Eu mulher sequiosa e mendiga de um amor eterno.
Estou submergida num combate sem flechas, nem estrondos
Um combate silencioso e entendido apenas a dois, eu e Tu.

Quisera Senhor descansar!
Quisera repousar em Ti a minha vida
Quisera saciar-me com a tua imagem,
Quisera contemplar-te nas águas da minha pobre humanidade,
Quisera reler e descobrir a minha vocação
No rosto dos irmãos que são rostos de vida e dons de amor.
Oxalá, Senhor, fosse eu capaz de correr deixando brotar
Do meu ser uma felicidade irresistível, apenas por te ter encontrado,
Apenas por aprender a gozar da plenitude da tua amizade,
Apenas por descobrir no brilho do teu olhar
O amor e a bondade do teu coração que me repassa
Me sacia e inebria de uma graça sem fim
Que não tem palavras apenas silêncios repletos de gratidão.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.