sexta-feira, 7 de outubro de 2011

A Deus nada é impossível...

No dia de hoje, celebramos a Festa de Nossa Senhora do Rosário. A Igreja nos leva a meditar no cumprimento da profecia de Is 7,14, na qual Cristo nasceria de uma virgem. Seis meses depois de Isabel ter engravidado, o anjo Gabriel apresentou-se a Maria em Nazaré e anunciou o propósito divino em conceber o Filho de Deus no ventre da Virgem Santíssima. Ele anunciou que se lhe daria o trono de Davi e que esse reino seria eterno, cumprindo assim a profecia de Cristo em 2 Sm 7,12-13; Sl 132,11; Is 9,7; Dn 2,44.
Maria, ao aceitar o desafio do Senhor, também aceitou o perigo da sociedade em apedrejá-la por adultério, por estar comprometida com José. Outro risco que tinha de enfrentar era a ruptura do seu casamento quando José soubesse dessa situação. No entanto, Maria preferiu fazer a vontade de Deus a agradar a homens, ainda que lhe custasse tudo. Um grande exemplo para nós! Também lhe é anunciado que sua parenta Isabel havia concebido em sua velhice e que já era o sexto mês para aquela que era considerada estéril, porque nada é impossível para Deus.
Isto nos deve chamar também à atenção. Lucas conta a história do nascimento de Jesus – principalmente – desde a perspectiva de Maria em quem Deus cumpre as promessas feitas a Abraão.
O nascimento virginal é uma doutrina cristã fundamental, que aparece no Credo dos cristãos desde muitos séculos atrás. Pelo nascimento virginal, por obra do Espírito Santo, Jesus Cristo não teve pecado original e, por isso, foi capaz de oferecer um sacrifício perfeito para salvar a humanidade, porque só os homens livres podem salvar os condenados. Só o Homem celeste pode santificar o homem da terra.
Se Jesus tivesse nascido de um pai humano, teria sido um homem comum, incapaz de nos salvar.
Que com Maria, a Mãe de Deus e, sobretudo, com o seu “sim”, a nossa atenção se volte para Jesus e com Ele percorramos a trajetória de Sua vida: nascimento, ministério, Paixão e ressurreição.

Nossa Senhora do Rosário


Esta festa foi instituída pelo Papa Pio V em 1571, quando celebrou-se a vitória dos cristãos na batalha naval de Lepanto. Nesta batalha os cristãos católicos, em meio a recitação do Rosário, resistiram aos ataques dos turcos otomanos vencendo-os em combate.

A celebração de hoje convida-nos à meditação dos Mistérios de Cristo, os quais nos guiam à Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição do Filho de Deus.

A origem do Rosário é muito antiga, pois conta-se que os monges anacoretas usavam pedrinhas para contar o número das orações vocais. Desta forma, nos conventos medievais, os irmãos leigos dispensados da recitação do Saltério (pela pouca familiaridade com o latim), completavam suas práticas de piedade com a recitação de Pai-Nossos e, para a contagem, o Doutor da Igreja São Beda, o Venerável (séc. VII-VIII), havia sugerido a adoção de vários grãos enfiados em um barbante.

Na história também encontramos Maria que apareceu a São Domingos e indicou-lhe o Rosário como potente arma para a conversão: "Quero que saiba que, a principal peça de combate, tem sido sempre o Saltério Angélico (Rosário) que é a pedra fundamental do Novo Testamento. Assim quero que alcances estas almas endurecidas e as conquiste para Deus, com a oração do meu Saltério".

Essa devoção, propagada principalmente pelos filhos de São Domingos, recebe da Igreja a melhor aprovação e foi enriquecida por muitas indulgências. Essa grinalda de 200 rosas - por isso Rosário - é rezado praticamente em todas as línguas, e o saudoso Papa João Paulo II e tantos outros Papas que o precederam recomendaram esta singela e poderosa oração, com a qual, por intercessão da Virgem Maria, alcançamos muitas graças de Jesus, como nos ensina a própria Virgem Santíssima em todas as suas aparições.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.