sábado, 18 de junho de 2011

NÃO PODEIS SERVIR A DOIS SENHORES...

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:“Ninguém pode servir a dois senhores: pois, ou odiará um e amará o outro, ou será fiel a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro. Por isso eu vos digo: não vos preocupeis com a vossa vida, com o que havereis de comer ou beber; nem com vosso corpo, com o que havereis de vestir. Afinal a vida não vale mais do que o alimento, e o corpo, mais do que a roupa? Olhai os pássaros dos céus: eles não semeiam, não colhem, nem ajuntam em armazéns. No entanto, vosso Pai que está nos céus os alimenta. Vós não valeis mais do que os pássaros? Quem de nós pode prolongar a duração da própria vida, só pelo fato de se preocupar com isso? E por que ficais preocupados com a roupa? Olhai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam. Porém, eu vos digo: nem o rei Salomão, em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles. Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é queimada no forno, não fará ele muito mais por vós, gente de pouca fé? Portanto, não vos preocupeis, dizendo: Que vamos comer? Que vamos beber? Como vamos nos vestir? Os pagãos é que procuram essas coisas. Vosso Pai, que está nos céus, sabe que precisais de tudo isso. Pelo contrário, buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão dadas por acréscimo. Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã terá suas preocupações! Para cada dia, bastam seus próprios problemas.
Servir… Ser fiel… 
Senhor, do meu dia, é bom saber que o raiar da aurora me traz um novo dia, sob o signo do Teu amor Criador. Ao acordar em cada manhã, disponho-me para começar tudo tendo como ponto de referência: servir e ser-Te fiel. Tudo é movimento e os dons da natureza de súbito fazem calar pequenos barulhos que me transmitem calma e serenidade, fazendo-me sentir o orvalho da manhã, o sol e a brisa suave. Servir! Hoje, queria pedir-te que me ensines a servir com amor, não esquecendo que toda a labuta quotidiana tem a marca do amor e da fidelidade.
Ser fiel!
Não posso servir dois Senhores, não posso dividir o meu coração, ou uma coisa ou outra. Os sentimentos intermédios, são adjectivos, assinalados pela coerência, pela clareza, pela verdade, pela simplicidade e pela clareza de vida…
Nesta manhã, faço minhas as Tuas Palavras: “ Não vos preocupeis com a vossa vida…” Isto exige muito desprendimento. Porque nos propões algumas coisas que são difíceis de executar? O convite a viver uma vida desprendida, é custoso, mas é tão terno saber que Tu velas por nós e que dizes que somos mais importantes do que todas as coisas criadas. Mas temos ânsias de ter, preocupações demasiado materialistas e fadigas sem sentido, pois o mais importante na vida é mesmo servir, ser fiel e viver sem nada de próprio, pois tudo o que somos e temos converge para os irmãos, para o bem da humanidade.
Não me deixes, Senhor, presa às coisas passageiras, não me deixes afogada nos meus desejos, nem que o meu coração fique espartejado, sem saber que rumo levar…
Quero, Senhor, olhar com realismo as coisas e perceber que a Tua mensagem é bem clara: valemos mais do que as aves do Céu, do que tudo…
Senhor, em cada dia que me dás, terei o cuidado de ser sinal de pobreza, de desprendimento, da sabedoria capaz de discernir a Tua vontade nos acontecimentos e nas coisas. Fico a meditar interiormente e de repente surge na estrada da minha vida, o Calor da Tua Palavra, o Sol escaldante do Teu amor, a certeza da Tua Esperança, e a Verdade que irradia da Tua presença em mim.
No cintilar de pequenos pontos brilhantes no festim da vida na dança das cores, na beleza dos lírios do campo, numa liberdade sem condições, numa fidelidade a toda a prova, aqui me tens, confiante de que em todo o tempo velas por mim.


Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.