sexta-feira, 21 de setembro de 2012


Não se pode estar, de fato, a serviço dos homens, sem ser primeiro servo de Deus
Bento XVI recebe em audiência os prelados participantes da conferência organizada pela Congregação para os Bispos e as Igrejas Orientais
 O Ano da Fé, o 50º aniversário de abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II , a 13ª Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos sobre a Nova evangelização, os 20 anos do Catecismo da Igreja Católica são ocasiões” para reforçar a fé”.
Estas foram palavras do papa Bento XVI durante a audiência com os Bispos de recente nomeação, participantes do congresso promovido pela Congregação para os Bispos e as Igrejas Orientais. “O reunir-se em Roma, no início de vosso serviço episcopal -destacou o Papa- , é um momento propício para fazer uma experiência concreta da comunicação e da comunhão entre vós, e, no encontro com o Sucessor de Pedro, alimentar o senso de responsabilidade por toda a Igreja”.
O Santo Padre convidou os bispos a “promover e sustentar “um compromisso mais determinado da Igreja a favor da nova evangelização para redescobrir a alegria no crer e reencontrar o entusiasmo do comunicar a fé” (Lett. ap. Porta fidei, 7).
O convite é aquele de “favorecer e alimentar a comunhão e a colaboração entre todas as realidades de suas dioceses”. A evangelização, de fato, explicou Bento XVI “não é trabalho de alguns especialistas, mas de todo o Povo de Deus, sob orientação dos Pastores”, por isso, “cada fiel com a comunidade eclesial, deve sentir-se responsável pelo anúncio e pelo testemunho do Evangelho”.
A Nova Evangelização é, definitivamente, um produto do Concílio Vaticano II, tanto é verdade que o beato João XXIII, em seu discurso no encerramento do 1° período do Concilio, via como um “novo Pentecostes que iria florescer a Igreja na sua riqueza interior e no seu estender-se maternalmente a todos os campos da atividade humana”.

Aquele “novo Pentecostes, apesar da dificuldade dos tempos, estenderam-se, atingindo a vida da Igreja em todas as suas expressões: da institucional à espiritual, da participação dos fiéis leigos na Igreja ao florescimento carismático e de santidade”.
Impossível “não lembrar do próprio Beato João XXIII e do Beato João Paulo II, e de tantos bispos, sacerdotes, consagrados e leigos, que têm feito o belo rosto da Igreja em nosso tempo”.
Os pastores de hoje, disse o Papa dirigindo-se aos bispos recebidos em audiência, herdaram este patrimônio “de doutrina, de espiritualidade e de santidade” e a isso devem buscar “para formar na fé os vossos fiéis”.
Encorajo-vos, portanto – prosseguiu- a estarem comprometidos com todos, de acordo com as diferentes idades e condições de vida, sejam apresentados os conteúdos essenciais da fé, de forma sistemática e orgânica, para responder também às questões colocadas pelo nosso mundo tecnológico e globalizado”.
Para isso é fundamental o Catecismo da Igreja Católica, “norma segura para o ensinamento da fé e da comunhão no único credo. A realidade em que vivemos exige que o cristão tenha uma sólida formação!”.
Neste contexto, o Bispo, é a primeira testemunha da fé e deve oferecer o “exemplo de uma vida vivida na confiança em Deus”. Ele, se deseja “ser autêntico mestre e arauto da fé, deve viver” como “homem de Deus”.
“Eucaristia” e “oração” são a “dúplice refeição”pela qual o pastor pode atingir a “linfa vital para o ministério”. Com relação aos sacerdotes, os bispos devem mostrar caridade, com “aquele amor paterno que sabe apoiar, encorajar e perdoar”.
A caridade do Bom Pastor deve ser também dirigida aos pobres e sofredores, às famílias, aos rapazes e jovens, com especial cuidado para com os “seminaristas”, que devem ser “formados humanamente, espiritualmente, teologicamente e pastoralmente, de modo que a comunidade possa ter Pastores maduros e alegres e que guiem seguramente na fé”.
O Santo Padre, então, concluiu a Audiência recordando a seguinte frase de São Paulo: “Busque a justiça, a fé, a caridade, a paz...Um servo do Senhor não deve ser rude, mas ser gentil com todos, capaz de ensinar, paciente, suportar os males” (2 Tm 2,22-25).

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.