quinta-feira, 1 de março de 2012

SENHOR DA VIDA E DO AMOR...

Disseste-me Senhor, que orar é abrir o coração à Tua presença amorosa! Orar é entender os Teus sinais, perceber a dimensão do Teu Reino, é numa palavra: reconhecer a Tua Omnipotência e o nosso nada.... É procurar-te nos muitos sinais que vais apresentando aos que te amam.

Hoje, Senhor da Vida, o Teu sinal foi de prova, com sabor amargo, esse fel que se experimenta nos dissabores do tempo e que aos poucos transformas na doçura que tens preparada para nós.
São tantas as vezes em que procuro sinais capazes de ser interpretados à luz da minha razão, mas não pode ser assim. Tudo tem de ser iluminado pela Luz e pela Sabedoria do teu Espírito.
Hoje, o sinal do Teu amor para comigo chamou-se morte desta vida terrena, onde superabundaram as lágrimas, mas que aos poucos a resposta ao porquê, vai-se aclarando e a Fé vai ficando mais fortalecida e a escuridão vai-se dissipando, para dar de novo lugar à Luz...
Como é difícil adequar a minha vontade, à Tua vontade!  
A minha vida à Tua Vida! 
O meu pensar ao teu pensar!

É precisamente na obscuridade da vida que Te manifestas, é aí que resides, é aí que mostras os mais belos sinais da Tua beleza inconfundível!
Que sinal foi o Teu, quando passaste na vida dos que amamos neste mundo e viviam só para o Teu serviço? Aí estás Tu! Aí devo reconhecer-Te mesmo com o coração a sangrar, aí fico sem palavras e parece que a Tua Luz, por instantes se apagou da minha lâmpada!

Como criança mimada ao colo da Mãe, assim me encontro reclamando resposta aos porquês e esperando a tão ansiosa carícia do Teu amor! 
Nada pode ser como desejo, mas só um único desejo deve florescer do meu tão angustiado pensamento: O que Tu queres, seja feito... Satisfaça-se apenas a Tua Vontade e não a minha! 
Foste um semeador generoso, foste semeando aos poucos e depois na hora certa vieste colher o fruto de quem procurou viver só para Ti, servindo com simplicidade, com alegria, com humildade e sobriedade. O fruto da sua entrega é ofertado no altar do sacrifício e Tu vais aceitá-Lo com a maior das alegrias e com um amor que não tem medida, é Infinito!

Com a serenidade da oferta que faço da irmã que escondeste da minha visão humana, tudo o mais Te entrego, sem pedir nada em troca.
Que o deserto da vida que nos prova até à última gota de sangue, nos traga de volta a frescura da tua Vida, a Tua água fecundante e transparente, para continuar a entoar o mais belo hino de Vitória da Vida sobre a morte, porque Tu vives em nós e o presente que levaste para junto de Ti, continua vivo no meu coração.

Obrigada pela sinal da Tua generosidade e amor para comigo ao deixares que tivesse experimentado a Tua doçura na vida da irmã Casimira.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.