sábado, 22 de junho de 2013


Papa Francisco: devemos servir a Palavra de Deus, não a idolatria da riqueza e as preocupações do mundo




2013-06-22 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) - As riquezas e as preocupações do mundo "sufocam a Palavra de Deus". Foi o que afirmou o Papa Francisco na missa desta manhã na Casa Santa Marta, no Vaticano.

O Pontífice ressaltou que a nossa vida se fixa em três pilares: Eleição, Aliança e Promessa, acrescentando que devemos confiar-nos ao Pai no viver o presente sem ter medo daquilo que acontecerá. Concelebrada, entre outros, pelo Bispo de Santa Clara, em Cuba, Dom Arturo González, a missa teve a participação de um grupo de funcionários dos Museus Vaticanos.
"Ninguém pode servir a dois senhores." O Santo Padre desenvolveu a sua homilia partindo das palavras de Jesus que, no Evangelho deste sábado, se detém sobre o tema das riquezas e das preocupações. Jesus, disse o Papa, tem "uma ideia clara sobre isso": são "as riquezas e as preocupações do mundo" que sufocam a Palavra de Deus, esses são os espinhos que sufocam a semente caída na terra, dos quais se fala na Parábola do Semeador:
"As riquezas e as preocupações do mundo – explica-nos aí – sufocam a Palavra de Deus e não a deixam crescer. E a Palavra morre, porque não é custodiada: é sufocada. Nesse caso se serve à riqueza ou se serve à preocupação, mas não à Palavra de Deus. E também isso tem um sentido temporal, porque a Parábola é de certo modo construída – o discurso de Jesus na Parábola – no tempo, não é mesmo? Não se preocupem com o amanhã, do que fazer amanhã... E também a Parábola do Semeador é construída no tempo: semeia, depois vem a chuva e cresce. O que faz em nós, o que fazem as riquezas e o que fazem as preocupações? Simplesmente nos tomam o tempo."
Toda a nossa vida, ressaltou o Papa, está fundada em três pilares: um no passado, um no presente e outro no futuro. O pilar do passado, explicou, "é o da eleição do Senhor".
De fato, cada um de nós pode dizer que o Senhor me elegeu, me amou", "me disse 'venha'" e com o Batismo "elegeu-me para caminhar nesta estrada, a estrada cristã".
O futuro, ao invés, diz respeito ao "caminhar rumo a uma Promessa", o Senhor "fez uma promessa conosco". Por fim, o presente "é a nossa resposta a esse Deus tão bom que me elegeu".
E observou: "Faz uma promessa, me propõe uma aliança e eu faço uma aliança com Ele". Eis, portanto, os três pilares: "Eleição, Aliança e Promessa":
"Os três pilares de toda a história da Salvação. Mas quando o nosso coração entra nisso que Jesus nos explica, tira o tempo: tira o passado, tira o futuro, e se confunde no presente. Quem é apegado às riquezas, não se importa com o passado nem com o futuro, tem tudo ali no presente. A riqueza é um ídolo. Não preciso de passado, de uma promessa, de uma eleição: de nada disso. Quem se preocupa com o que pode acontecer extrai a sua relação com o futuro – 'Mas, isso pode caminhar?' – e o futuro se torna futurível, mas não o orienta em direção a nenhuma promessa: permanece confuso, permanece só."
Por isso, reiterou o Papa, Jesus nos diz que ou se segue o Reino de Deus ou as riquezas e as preocupações do mundo. Com o Batismo, disse ainda, somos por ele "eleitos no amor", temos um "Pai que nos colocou no caminho". E assim "também o futuro é alegre", porque "caminhamos rumo a uma promessa".
O Senhor "é fiel, Ele não decepciona" e, portanto, também nós somos chamados a fazer "aquilo que podemos" sem desilusão, "sem esquecer que temos um Pai no passado que nos elegeu".
As riquezas e as preocupações, reiterou, são as duas coisas que "nos fazem esquecer o nosso passado", que nos fazem viver como se não tivéssemos um Pai. E também o nosso presente é um presente que não se realiza.
"Esquecer o passado, não aceitar o presente, desfigurar o futuro: é o que fazem as riquezas e as preocupações. O Senhor nos diz: 'Estejam tranquilos! Busquem o Reino de Deus e a sua justiça, e tudo o mais lhes será acrescentado. Peçamos ao Senhor a graça de não errar com as preocupações, com a idolatria da riqueza e de sempre lembrar que temos um Pai, que nos elegeu; lembrar que este Pai nos promete uma coisa boa, que é caminhar rumo àquela promessa e ter a coragem de aceitar o presente como vem. Peçamos essa graça ao Senhor!" (RL)

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.