domingo, 22 de julho de 2012


A Oração Perseverante O que é? - Frei RANIERO CANTALAMESSA
O termo “perseverante na oração” indica uma ação tenaz e insistente. Significa estar ocupados com assiduidade e constância em alguma coisa. Se poderia traduzir, também, “tenazmente aferrados à oração” ou “assíduos na oração”. Estas palavras são importantes porque aparecem com freqüência cada vez que se fala de oração no Novo Testamento. Nos Atos dos Apóstolos, ao referir-se aos primeiros cristãos depois de Pentecostes, se diz que acudiam “assiduamente ao ensinamento dos apóstolos, à partilha do pão e às orações”.

Na carta aos romanos, também São Paulo comenta que tem que ser “perseverante na oração”. Em uma passagem da carta aos Efésios se lê: “estejam sempre em oração e súplica, orando em toda ocasião no Espírito, velando juntos com perseverança”.
O essencial deste ensinamento provém de Jesus, que contou um dia a parábola da viúva importuna, precisamente para dizer que é necessário orar sempre sem desfalecer. A mulher cananéia é uma ilustração viva no Evangelho desta oração insistente que se deixou desanimar por nada e que, no final, precisamente por isto, obtém aquilo que deseja (Mt 15,21-28). Ela pede uma vez a cura de sua filha e Jesus “nem sequer lhe dirigiu a palavra”. Insiste e Jesus lhe responde que “não fora enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel”. Prostra-se aos seus pés e Jesus lhe responde que “não me convém jogar aos cachorrinhos o pão dos filhos”. Tinha razão suficiente para desanimar, mas a mulher cananéia não se rendeu e disse: “Certamente, Senhor? mas os cachorrinhos ao menos comem as migalhas”. E Jesus exclama feliz: “Ó mulher, grande é a tua fé!
Seja-te feito como desejas”.Porém, por que temos que ser perseverantes na oração, e por que Deus não escuta em seguida? Não é ele mesmo quem, na Bíblia, promete escutar de imediato, basta apenas que o invoquemos; ainda mais, todavia, antes de ter acabado de orar? Antes que me chamem” diz Isaías “eu lhe responderei.
Ainda estarão falando e os terei escutado”. Não desmente clamorosamente a experiência destas palavras? Não. Deus prometeu escutar sempre e escutar em seguida nossas orações e isto é o que faz. Somos nós que devemos abrir os olhos.
Ele mantém sua palavra. Ao retardar a ajuda, ele já está nos socorrendo. Ainda mais, esse retardo já é em sim mesmo um vir em nosso auxílio. É preciso distinguir entre socorrer segundo a vontade do orante e socorrer segundo a necessidade do orante. Esta última é sua verdadeira salvação. Deus socorre sempre e de imediato diante segundo a salvação do orante, nem sempre socorre segundo a vontade do orante, já que essa vontade pode não ser boa.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.