sábado, 31 de dezembro de 2011

Paz e Bem a quem está do outro lado do Saara...

O deserto parace nada ter de belo, mas quando os nossos olhos caem em cima dele, não há palavras que possam descrever tal maravilha. Quando descobri os traços, as montanhas e a cor da areia do deserto, perguntei? Porquê tanto medo quando a nossa vida parece um deserto? No meio do nada, tudo tem vida, porque a beleza de Deus é infinita.
Entoar um canto novo, ao Deus que tudo cria e faz de novo é a única coisa que pode brotar dum coração grato.
Perdida por entre nuvens, oceano e deserto, cheguei a Angola! Um calorzinho à mistura sabia bem para tanto frio no avião. Quando chegamos parece estarmos já num outro mundo que dá sinais de novidade e modernidade. Tudo se faz muito rápido, sem comparações com os anos 2006e seguintes... É bom saber que o desejo d emudança está patente no coração dos povos.
Esperava-me a irmã Emiliana e Rosa Félix. Foi rápido que nos piusemos em casa, pois pela noite dentro o trânsito está mais fluído.

Um acolhimento fraterno sabe sempre bem. Estava em casa com a graça de Deus.
O descanso era merecido para todas, daí que um trago de água fresca e uma fruta saciaram a sede e toca a esticar as pernas pois o avião deixa a gente encolhida.
Pela manhã chega a notícia de que a ir. Assunção tinha fraturado o fémur. Terminar o ano em sofrimento e começar o Novo Ano com sofrimento. Deus sabe que presentes oferecer aos Seus amigos!

Tudo vai correndo bem. Prepara-se o novo ano. Hoje dia 31 dia de deserto e retiro.
Rever a vida, agradecer a vida e projetar desejos novos para o ano que viveremos com a graça de Deus.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.