sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Senhor da doçura...

Senhor da doçura

Tudo é sinal do Teu amor! Tudo é dom! Tudo é resposta de amor ao amor que totalmente se nos dá! Tudo se transforma porque em cada sinal, em cada gesto de amor, esconde-se
A beleza do Teu amor sumamente infinito. És o Senhor da doçura, do amor e do perdão. Os teus caminhos são sempre novos! Prefiro ser sempre Tua peregrina, pois em cada passo medido e calculado encontro um coração doce, carregado de amor, que olha para o nada que sou e teimosamente quer transformar tudo em riqueza. Sou fruto de um amor desmedido. Olho surpreendida o teu parar diante de mim para me aceitares, para me abraçares, para perdoares tantos sinais da minha infidelidade.
Sabes bem, que não sou nada, sem a experiência deste amor que se doa incondicionalmente. Sei Senhor, que posso dizer -te que és admirável, que és a sabedoria que necessito, a razão que me faz falta, e o fogo que preciso para me purificar,
Tu, és ânimo quando desanimo, Tu, és a palavra certa quando não tenho palavras, Tu, és o acolhimento quando me sinto desprotegida, Tu, a minha rocha, Tu, o meu refúgio, Tu a minha âncora e a minha segurança.

A Ti, ofereço o meu caminhar de peregrina, busco trilhar contigo um caminho novo, feito de amor, de serenidade, de doçura e de paz, um caminho sereno feito serenidade em Ti! O desejo de mudança vai crescendo, o anseio do encontro faz-se impulso, e então sou apenas um vaso envelhecido, quebrado, desmaiado pelo tempo, mas, Tu queres-me um vaso novo, e eu quero ser nova em Ti, quero que as Tuas mãos de artista me façam de novo me proporcionem beleza e brilho interior.

Com a força dos Teus dons, sou uma nova criatura, com a doçura do Teu amor, respiro amor, e ofereço-o como Tu queres que eu faça em cada dia da minha existência! Toma-me só para Ti! Enche-me dos Teus preciosos dons! Acolhe-me com tantos nadas que sou! Aceita-me por inteiro, sem nada guardar para mim.

Tira os ciscos que me cegam e são impedimento para gozar da Tua bondade e da doçura do Teu coração. Faz brotar do meu coração o desejo de crescer nas sendas da humildade. Deixa-me palmilhar rotas novas para que em mim tudo seja transformado. Na cana que voa ao vento, na doçura do favo do mel, no fervilhar do mosto, na aurora de um sol que teima em brilhar com fulgor, brilha também Tu em mim, adoça a minha vida para que o amargo se transforme em doçura de vida.




Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.